GOVERNO ESTUDA MUDANÇAS NA LEI PARA JOVEM APRENDIZ

GOVERNO ESTUDA MUDANÇAS NA LEI PARA JOVEM APRENDIZ

O governo pretende ampliar o programa de Aprendizagem Profissional e incentivar a entrada de jovens no mercado de trabalho. Um projeto que está sendo elaborado pelo deputado federal Marco Bertaiolli (PDT-SP) pretende modernizar a legislação de quase duas décadas sobre jovens aprendizes.

Entidades envolvidas na questão, como as empresas certificadoras, acreditam que a lei sobre o tema não acompanhou as mudanças no mercado de trabalho. Dados recentes do CAGED mostram que, após um pico em 2014 e 2015, o número de admissões de aprendizes no Brasil caiu.

Um seminário sobre o tema ocorreu nesta terça-feira (20), em São Paulo, no teatro CIEE. No evento, o subsecretário de capital humano do Ministério da Economia declarou que é preciso aumentar a participação dos jovens nas empresas.

Rodrigo Zerbone afirmou que, hoje, o foco é o incentivo. “Nossa meta é que a cota seja totalmente cumprida e que a gente tenha um engajamento maior das empresas sem precisar ficar baseando toda a ação em fiscalização exclusivamente. Então o engajamento das empresas no processo é fundamental e nosso foco de trabalho agora. Ter uma perspectiva de contratação posterior desse jovem, alterar algumas regrinhas que desincentivam essa efetivação é a nossa prioridade”, explicou.

A atual legislação estabelece uma cota mínima de aprendizes por empresa, mas muitos empregadores acabam não atingindo o mínimo. O novo projeto pretende simplificar o cálculo dessa cota sem mexer na quantidade de jovens empregados.

Durante o período do contrato, de até dois anos, o jovem deve ser capacitado na instituição formadora e na empresa. Ou seja, além de frequentar a escola, e exercer a prática no dia a dia de trabalho, o aprendiz precisa ter aulas técnicas teóricas.

Um dos pontos que deve constar no projeto da nova lei é o incentivo ao ensino a distância. A procuradora do trabalho e coordenadora regional da CoordInfância, Rosemary Moreira, ressaltou que vê esse modelo com cautela.

“Essa aprendizagem na modalidade à distância só poderia ser admissível quando fosse totalmente inviável a formação presencial. Então se é um local muito remoto, que não tem instituição formadora, em que o deslocamento implicaria em muitos transtornos, seria mais prejudicial que benéfico, aí a gente poderia admitir a aprendizagem a distância”, afirma.

O texto com a proposta de alteração na Lei da Aprendizagem deve ficar pronto em setembro deste ano. (cobrir com 00156)

 

FONTE: Jovem Pan

Habilidades

Postado em

10 de setembro de 2019

18 Comentários

  1. Alkaria
  2. Viagra

    Approved Canadian Pharmacies Online

  3. Annousy
  4. alletty
  5. Propecia

    viagra forma de uso

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *